PESQUISE A BIBLIOTECA DO NOTICIÁRIO-EVANGÉLICO

Saturday, January 30, 2010

Família evangélica alemã pede asilo nos EUA por causa do currículo escolar anti-cristão adotado pelo governo de seu país

O casal de alemães Uwe e Hannelore Romeike, com cinco filhos, fugiram para os Estados Unidos no Verão de 2008. Pouco tempo depois pediam asilo para se manterem no país. O motivo: discriminação contra o facto de quererem ensinar os seus cinco filhos em casa, na Alemanha-natal. Um juiz do Tennessee acabou por lhes dar razão. É o primeiro caso de asilo por razões educativas nos EUA.


O juiz Lawrence Burman decretou, num tribunal de primeira instância, em Memphis, que a família alemã tem, legitimamente, medo de ser perseguida pelas suas convicções e, por isso, decretou que os Romeike poderão viver e trabalhar legalmente nos EUA.
O pai das cinco crianças manifestou-se “muito agradecido” ao juiz pelo veredicto, cita o “Der Spiegel”.
Antes de decidir abandonar a Alemanha, em Agosto de 2008, a família foi multada em milhares de euros, segundo o “The Guardian”, e as autoridades enviaram polícias para a porta de casa dos Romeike para obrigar as crianças a irem à escola. O ensino de crianças em casa é proibido na Alemanha. A partir dos seis anos, todos têm que frequentar a escola.
Uwe Romeike, um professor de piano, e a sua mulher, Hannelore, evangélicos devotos, decidiram retirar os seus filhos da escola estatal em que estavam inscritos em Bissingen (estado de Baden-Württemberg, sudoeste da Alemanha), em 2006, alegando que o currículo era anti-cristão. De acordo com o casal, os manuais escolares dos seus filhos apresentavam ideias e linguagem que entravam em conflito com as suas crenças religiosas, incluindo termos em calão para definir actos sexuais e imagens de vampiros e bruxas. Quando o filho mais velho começou a andar à pancada com os colegas e a filha mais velha começou a ter dificuldades em estudar, os Romeike decidiram que já bastava. Tiraram-nos da escola pública e deram início à escola caseira.
“É importante os pais terem a liberdade de poder escolher a forma como os seus filhos são ensinados”, indicou Hannelore Romeike à Associated Press.
“Nos últimos 10 a 20 anos o currículo educativo nas escolas públicas tem sido cada vez mais contrário aos valores cristãos”, acrescentou Hannelore. “Nós comunicamos os nossos valores, os professores comunicam os deles; e se as crianças estão na escola, nós não podemos influenciar aquilo que eles aprendem”.
Ter ou não ter direito a doutrinar os filhos
A par com milhares de vítimas de tortura, dissidentes políticos, membros de minorias religiosas e outros grupos perseguidos que, todos os anos, conseguem asilo político nos Estados Unidos, a família Romeike poderá agora trabalhar e viver legalmente no país. Apesar de ser o primeiro caso do género no país – de asilo por questões educativas -, ele não abre um precedente nas leis nacionais. Isso só acontecerá se o governo americano apelar desta decisão e um tribunal de segunda instância confirmar o veredicto.
“Estas pessoas que ensinam os filhos em casa, na Alemanha, fazem parte de um ‘grupo social particular’ e, ao abrigo das leis de asilo norte-americanas, esses grupos são protegidos”, indicou o advogado de defesa da família e representante da Associação evangélica Home School Legal Defence, Mike Connelly, citado pelo “The Guardian”. “Este juiz olhou para as provas, ouviu os testemunhos e sentiu que a maneira como a Alemanha está a tratar as pessoas que optam por ensinar os seus filhos em casa está errada. Os direitos que estavam a ser violados eram direitos humanos básicos”, disse.
Hans Bruegelmann, um professor de pedagogia da Universidade de Siegen, discorda. Contactado pela estação “Deutsche Welle”, Bruegelmann esclareceu que o contacto com outras maneiras de viver e de pensar são fundamentais para o correcto desenvolvimento das crianças.
“Eles não deveriam ter o direito de doutrinar os seus filhos. É importante para as crianças – para além das experiências que têm em casa, que devem ser respeitadas – terem acesso a outras formas de entender o mundo”, disse.
O cônsul alemão em Atlanta, Lutz Goergens, não quis comentar o caso Romeike, mas adiantou que os pais alemães que não estejam de acordo com aquilo que é ensinado aos seus filhos nas escolas públicas alemãs podem sempre inscrevê-los em escolas privadas ou escolas religiosas, indica a “Deutsche Welle”.
Contactado pelo “Spiegel” online, o ministério dos Negócios Estrangeiros alemão já fez saber que tomou nota mas que adia um comunicado acerca do caso Romeike para quando a decisão judicial americana for tornada oficial. “O consulado geral de Atlanta irá tratar do caso”, adiantaram as autoridades alemãs.
Cerca de 1,5 milhões de crianças americanas são ensinadas a partir de casa. Em Morristown – para onde foram viver os Romeike -, uma localidade com cerca de 27 mil habitantes, a família tem contacto com outras famílias que também ensinam os seus filhos e, juntos, têm organizado excursões, regista o “The Guardian”.
Em Portugal é possível ensinar os filhos a partir de casa e estima-se que haja actualmente várias dezenas de crianças e jovens a estudar em regime de ensino doméstico. As autoridades educativas nacionais estimam ainda que esta modalidade está a ganhar cada vez mais adeptos.
Fonte: Público

10+ do Mês no Noticiário Evangélico

Posts Comentados Evangélicos no Mundo Israel Igreja Perseguida evangelização Nacionais Pastores Homossexualismo Evangelho no Mundo Testemunhos Boletim de Ocorrências Evangelismo Islamismo Lançamentos Fim dos Tempos intolerância religiosa contribuição evangélica Fim do Mundo Conflito árabe-israelense Oriente Médio Tempo do Fim muçulmanos Apocalipse Desempenho Evangélico leis apostasia Notícias de Israel Islã Fim dos Dias Eventos anticristo homofobia UniãoNet Bancada Evangelica Homofobia X Liberdade de Expressão TRIBUNAIS Política Fim da Igreja Convertidos Conversões Crimes Heresias Tragédias Arrebatamento Ciência Falsas Doutrinas Falsas Religiões Lei Anti-Homofobia sinais dos tempos Arqueologia Ateísmo Filme Grande Tribulação Ciência e Tecnologia Gospel Music Tribulação Direito de Israel ecumenismo Catolicismo PLC 122/06 Acidentes Degradação Moral Restauração de Israel conversão Bíblia X Apostasia Alerta Bíblico Doutrina ICAR IURD Jerusalém Perversão das Leis Casamento Desvarios das Leis Kit Gay Abominações Governo Mundial ONU Terrorismo Discriminação Educação Sexual Gogue e Magogue Ocorrências Polícia Satanismo anticristos Arca de Noé Drogas Política e Religião Seitas Teologia da Prosperidade Comentários Bíblicos Evangelização em Israel Filme Evangélico Livro fé evangélica Bíblia Cartilha Homossexualizante Criacionismo Fanatismo Religioso Sexo Crise Financeira Desvio de Comportamento Ensino Religioso nas Escolas Mídias Homossexualizantes cultura evangélica curiosidades Justiça dos homens X Justiça de Deus Política versus Evangelho SEMANÁRIO EVANGÉLICOS NO MUNDO Sociedade Bíblica do Brasil - SBB Vaticano meditação bíblica 2012 Antisemitismo Doença Espiritual Ferramentas do Evangelho Kit Promiscuidade Liberdade Religiosa Liberdade da Crença Microchips Nova Ordem Mundial Pastortos Pecado Pornografia STF Santificação religiões unidas Alerta Evangélico Direitos Humanos GLS Pedofilia Profecias Maias ecumênico rainha das religiões Ambiente Idolatria Maçonaria Mordaça Gay Novidades da Informatica Terremotos Tribunais de Inquisição Acordo de Paz Arrependimento Bíblia na China Edificação Espiritual Exportando fé GLBT Habeas Corpus Lutero Nova Era ORU Operação do Erro Processo de Paz Protestante Protestantismo Qumran Softwares evangélicos curiosidades bíblicas restauração sentença divina Abaixo Assinado Agentes do Engano Arca da Aliança Arrebatômetro Calendário Judaico Disciplinando os Filhos Divórcio Evangélicos X Carnaval Judeus Messiânicos Ocultismo: Invasão Silenciosa Programa Brasil sem Homofobia Queda Espiritual Símbolos Pagãos Virgindade besta bússola dourada obra de Deus AH1N1 Adoção Anjo Caído Castidade Deísmo Diabo ECA Megaterremoto PNDH3 Pestes Prêmio Nobel da Paz STJ apóstolos
There was an error in this gadget